Negra Nua Crua

Mel Duarte

Em versos que retratam as inquietações, provocações, sensações, angústias e prazeres da vida pela ótica de uma mulher negra, a obra é dividida em três capítulos que dão título ao trabalho. Em “Negra”, a autora problematiza questões raciais, o preconceito e a solidão da mulher negra, como em “Exposta”: “(...) Foi dessa carne negra que sangrou gota a gota a falta da sua companhia”. “Nua” trata de desejos, sensações e prazeres, como em “Delitos”: “(...) Nossos corpos fervem e as bocas já não possuem freios/ Seu santo é fraco e você se perde entre meus seios/ E entre tantos delitos e declarações/ Abusamos de nós, como provam os arranhões...”. Por fim, em “Crua”, o lado visceral e combativo da poeta se revela em versos comos os de “Verdade Seja Dita” : “Verdade seja dita”: (...) Você que não mova sua pica para impor respeito a mim./ Seu discurso machista, machuca/ E a cada palavra falha/ Corta minhas iguais como navalha/ NINGUÉM MERECE SER ESTUPRADA!” “Pensar no “Negra Nua Crua” foi algo muito leve, pois segui minhas intuições e encontrei pessoas que auxiliaram muito em todo o processo. Trabalhar as imagens dos temas com as fotografia de dupla exposição, de Muriel Xavier, era um sonho e o resultado foi incrível”, afirma Mel Duarte. O trabalho conta com prefácio assinado pela cantora e MC Tássia Reis e fotos de Muriel Xavier.

Ficha Técnica

Editora:Ijumaa
Páginas:75
Gênero:Poesia
Categorias:1. Poesia brasileira.
Edição:
Lançamento:2016
ISBN:978-85-920841-0-3
Estado de Conservação:Novo