Talvez precisemos de um nome para isso

Stephanie Borges

O imaginário estético da sociedade como forma de opressão da mulher negra é o fio condutor do poema de Stephanie Borges, perpassado por narrativas sagradas, memórias pessoais, trechos de músicas e críticas ao que chama de "eufemismo do mercado". O longo poema é dividido em dez partes, para além do lirismo convencional, com uma linguagem cortante e direta. A autora transcende o debate sobre beleza e identidade, mergulha no já banalizado tema do empoderamento feminino negro, e propõe às mulheres uma autoanálise sobre a construção da própria imagem.

Ficha Técnica

Editora:Cepe
Páginas:81
Gênero:Poesia
Categorias:1. Poesia brasileira.
Edição:
Lançamento:2019
ISBN:978-85-7858-774-1
Estado de Conservação:Novo