Quem somos

Mulheres Negras na Biblioteca é um projeto de incentivo à leitura de obras de escritoras negras, idealizado e organizado por profissionais de Biblioteconomia e Letras, que se dedicam a promover atividades culturais a fim de contribuir para a formação e aumento do público leitor de livros de autoria de mulheres negras, com o objetivo de tornar notável a importância da inclusão dessas obras nos acervos das bibliotecas.

O time atual:

Carine Souza

Ela é soteropolitana. Sim, ela é baiana, ela é de Salvador. Libriana com ascendente em Leão. Revisora e preparadora de textos, certificada pela Universidade São Judas Tadeu e pela Universidade do Livro (Editora Unesp), onde também cursou produção editorial. Tem formação técnica em biblioteconomia e estuda Letras. É produtora cultural, idealizadora e diretora do MNB.

Camila Araújo

Também conhecida como a filha de dona Laura, lá do Maranhão. No seu mapa tem sol... em câncer, ascendente em libra e lua em aquário. Por isso ela é brilhante, sensível, empática e apegada ao passado, ou melhor, conectada com a sua ancestralidade. Aprecia leitura sem moderação e boas cervejas. É graduada em Biblioteconomia pela ECA USP e técnica em Administração pela ETEC Cidade Tiradentes. Articuladora sociocultural e mediadora de leitura, participa de movimentos de cultura do bairro como a Festa Literária de Cidade Tiradentes e do MNB, como coordenadora de projetos.

Juliane Sousa

Uma amazônida paranhense. Isso mesmo, porque, na barriga da mãe, ela saiu de um quilombo no Maranhão só pra nascer no Pará. O trajeto foi de barco, durante as águas de março, então, ela só podia ser de peixes, com ascendente em aquário. Formada em Letras pela Universidade Federal de São Paulo, ela é produtora cultural, ativista ambiental, jornalista, apresentadora de rádio e televisão, roteirista, e coordenadora de comunicação do MNB.

Mariane Santos

“Marii, dá pra fazer uma arte para amanhã?” ou (10 minutos depois) “Mari, ficou lindoo”. Sim, é ela, a responsável por toda a identidade visual que hipnotiza geral. Sagitariana com ascendente em câncer, ela é uma mina de Sampa, formada em Designer Gráfico pela Universidade Anhembi Morumbi, embora já seja mestre na arte gráfica pela UMNB. Trampa como designer freelancer, artista lettering e diretora de arte do MNB, e, como se não bastasse, é ilustradora nas (poucas) horas vagas.

O que fazemos

Um barulhinho revolucionário dentro e fora das bibliotecas, das escolas e instituições culturais do país, com atividades de incentivo à leitura de livros de escritoras negras brasileiras e internacionais.

Por que fazemos

A nossa busca é pelo reconhecimento social da importância da inclusão de obras de autoras negras nos acervos das bibliotecas públicas do Brasil. Por isso, também reivindicamos a presença dessas autoras nos eventos literários, no mercado editorial e em todas as instituições que atuam no campo da literatura. Além disso, combatendo o racismo institucional e a invisibilização da produção escrita dessas autoras, acreditamos estar contribuindo para uma educação antirracista.

Como fazemos

Por meio de ações como clubes de leitura, bate-papos com educadores e escritoras negras, oficinas de mediação de leitura, “cantação” de histórias e produção de conteúdo digital antirracista. As atividades acontecem com incentivo de editais, parcerias com instituições culturais, bibliotecas e escolas públicas.

Ações e campanhas

Clube de leitura MNB

Um clube para leitores e não leitores de todas as idades, etnias e gêneros, de escritoras negras. Em que o público é convidado a ler coletivamente um texto (em geral, contos) de autoria negro-feminina, em seguida, inicia-se uma troca de impressões a respeito da obra. O objetivo dessa ação é proporcionar um contato direto com a narrativa e aumentar o interesse do público pela literatura de autoras negras.

“Cantação” de histórias

Essa atividade é direcionada às famílias e aos pequenos leitores, e é realizada sempre em parceria com artistas, poetas e cantoras negras convidadas, que fazem interpretações musicadas de textos de escritoras negras.

Bate-papo com a autora

Uma autora negra é convidada para uma conversa sobre literatura, a sua trajetória, processo de escrita e os desafios do mercado editorial para mulheres negras. Essa ação acontece preferencialmente dentro das bibliotecas como um ato de reivindicação da inserção de suas obras nesses espaços.

Oficina de poesia para crianças

Inspirada nos livros de literatura infantil em poesia, "Meu crespo de rainha", de bell hooks, e "As férias fantásticas de Lili", de Lívia Natália, essa oficina envolve o público infantil no universo da poesia por meio da escrita criativa.

Roda de poemas: Antes de nós

A roda de poemas Antes de nós é uma tentativa de resgate de uma manifestação artística que acontecia, na década de 1980, na cidade de São Paulo. Nos últimos anos, a poesia voltou a se destacar na cena cultural do país, nos inúmeros saraus e slams, por isso, inspirado no símbolo Sankofa e com o intuito de proporcionar trocas de experiências geracionais, o MNB convida poetas veteranas para conduzir uma roda de poemas com a presença de poetas da nova geração e participação do público.

Roda de conversa: Quantas autoras negras você já leu?

Assuntos como a invisibilização de escritoras negras no universo literário e a importância do acesso às obras dessas autoras são pautas da nossa roda de conversa. Ao longo do bate-papo o público vai sendo apresentado a livros e minibiografias de autoras negras. O objetivo dessa ação é fazer o público notar a existência dessas autoras e refletir sobre a ausência delas em diversos espaços.

MNB - Para Educadores: Por mais autoras negras nas escolas

Sabemos que muitas escolas ainda não estão em conformidade com a Lei nº 10.639/03, em vigor desde 2003, que obriga o ensino de História e Cultura Afro-brasileira na educação básica. Por isso, esse bate-papo para educadores, sobretudo para os que atuam na rede pública, tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre a importância de ler obras de autoras negras na sala de aula.

Oficina de mediação de clubes de leitura

Uma proposta para educadores, bibliotecários e interessados na literatura de mulheres negras. Após quatro anos atuando com o Clube de Leitura MNB em diversos espaços literários, resolvemos compartilhar nossa metodologia e estratégias de mediação de leitura de obras de escritoras negras.

Produção de Conteúdo Digital

Entendemos a presença digital como uma extensão das nossas ações e as mídias sociais como uma grande ferramenta de mediação de leitura que usamos para fortalecer o nosso maior propósito: a formação de público leitor de obras de autoras negras. É com esse artifício também que lutamos pela inserção desses livros nos acervos das bibliotecas. Por isso, os nossos conteúdos nas redes sociais estão relacionados com o universo da biblioteca, livro e leitura no Brasil.

Campanha: Livro sem poeira

Uma iniciativa de incentivo à doação de livros de autoras negras para bibliotecas. Durante a campanha, o MNB se torna uma ponte para as doações que são feitas primeiro para os moradores da comunidade que, ao receberem um exemplar, são incentivados a doar para o acervo da biblioteca, após terminarem a leitura.